Skip to content

Mamoplastia de Aumento

Nas últimas décadas, milhões de mulheres foram submetidas à inclusão de implantes mamários visando melhorar o aspecto das mamas. O procedimento adquiriu altos níveis de popularidade entre as pacientes, pois os já bons resultados de antigamente melhoraram significativamente devido à modernização dos implantes e aos refinamentos na técnica cirúrgica.

Pacientes incomodadas pelo tamanho reduzido das suas mamas ou cuja perda de peso e/ou a gravidez alterou a forma e tamanho das mamas, ou aquelas portadoras de assimetrias podem ser beneficiadas por esta cirurgia.

A consulta médica é muito importante para o sucesso desta cirurgia. Apesar de parecer um procedimento simples, existem várias escolhas a serem consideradas e princípios que devem ser obedecidos rigorosamente. Por exemplo, fatores como as características da pele, consistência da mama, localização da incisão e o aumento desejado devem ser analisados individualmente de forma cuidadosa. Em geral, a combinação entre um cirurgião experiente, a obediência aos princípios acima e a utilização da técnica correta maximiza as chances de um resultado satisfatório.

A cuidadosa análise da largura, projeção e altura da mama é fundamental no planejamento cirúrgico e determinará a escolha do implante. Considerando a enorme variação das mamas existente na população, percebemos que um determinado tipo e tamanho de implante não deve ser indicado para todas as pacientes.

Além disso, aspectos como o efeito de eventuais variações de peso, gravidez e cirurgias associadas devem ser claramente esclarecidos. Isto é importante porque estes fatores podem alterar o tamanho e o formato das suas mamas após a cirurgia de uma forma imprevisível.

Finalmente, antes da cirurgia, a paciente deve ser submetida à ultra-sonografia ou mamografia para investigação do tecido das mamas, visando descartar a presença de lesões suspeitas que mereçam investigação mais apurada.

A cirurgia plástica para o aumento das mamas é um dos procedimentos estéticos mais realizados hoje em dia. Conjuntamente com o aumento volumétrico das mamas, podem ser corrigidos as ptoses mamárias (mamas caídas), o tamanho e posição das aréolas e as assimetrias (diferenças de tamanho ou forma). O recurso mais aceito na comunidade médica para o aumento mamário é a utilização de próteses mamárias preenchidas com silicone gel. As próteses preenchidas com soro fisiológico, não possuem semelhança tátil, térmica ou dinâmica com uma mama normal. As preenchidas com outras substâncias não possuem segurança biológica comprovada.

Composição das próteses mamárias

O silicone em suas mais diversas formas é utilizado na medicina há mais de 60 anos, sendo um material biologicamente seguro e exaustivamente testado em várias aplicações médicas como válvulas cardíacas e próteses ortopédicas. As próteses mamárias são compostas de duas partes, um invólucro de silicone e o preenchimento também do mesmo material. O que varia é a densidade e as ligações moleculares do invólucro e do preenchimento.

O silicone gel utilizado hoje pela maioria das empresas fabricantes de próteses mamárias para preenchimento é do tipo coesivo. Em termos práticos, em caso de acidentes com o invólucro, o gel coesivo pode até vazar, mas não se “espalha” para outros locais como o silicone líquido.

Tipos de próteses mamárias

Após a colocação da prótese mamária, o paciente irá formar ao redor da mesma uma cápsula fibrótica e macia que isolará a prótese de seu organismo. Esta cápsula impede qualquer troca de materiais entre o paciente e prótese. Existe a possibilidade, embora muito pequena, de haver uma fibrose excessiva desta cápsula, chamada contratura capsular. A fim de se minimizar ainda mais esta ocorrência foram desenvolvidos diversos tipos de invólucros, o tradicional liso, os texturizados (micro e nanotexturas) e o de poliuretano. Cada um destes tem suas indicações, cabendo ao cirurgião plástico a escolha do tipo mais adequado para a paciente.

Formato das próteses mamárias

As próteses mamárias podem ser redondas, anatômicas, em forma de gota, com perfis baixo, médio, alto e super alto. A escolha do formato vai depender da forma original da mama da paciente e da forma final que se deseja obter. A escolha do tipo correto é fundamental para o bom resultado final do aumento mamário.

Volume das próteses mamárias

O volume das próteses mamárias a serem utilizadas também dependem do volume inicial e do volume final a ser atingido. Em todos os casos é necessário que haja uma cobertura adequada das próteses com tecidos da própria paciente para que as mesmas não fiquem palpáveis no pós operatório. Em casos de mamas excessivamente pequenas ou desejo de grandes aumentos mamários deve se considerar a colocação das próteses em um plano submuscular (abaixo dos músculos peitorais), em todas as outras situações o plano subglandular (abaixo da glândula mamária) fornece resultados mais naturais, principalmente a médio e longo prazo. Pode haver necessidade de utilização de próteses de tamanhos diferentes em casos de assimetria mamária.

Dúvidas freqüentes

* – A colocação de próteses mamárias não interfere na lactação (produção de leite), uma vez que a estrutura da glândula mamária não é afetada.

* – Não há perda de sensibilidade do complexo aréolo-papilar (mamilos). Existe uma leve alteração no período pós operatório de caráter transitório.

* – As prótese de silicone não provocam câncer de mama ou induzem qualquer doença auto-imune.

* – Não existe diferença na sensibilidade dos exames para diagnóstico precoce do câncer de mama nas pacientes com e sem próteses mamárias. Os exames nas portadoras de prótese são no entanto um pouco

mais demorados no caso da ultrassonografia mamária e necessitam algumas incidências a mais nas mamografias.

* – As próteses mamárias tem alta resistência mecânica, não se rompendo em atividades cotidianas, exercícios ou movimentos bruscos.

Cabe ao cirurgião discutir com a paciente as opções existentes para atender às expectativas com o menor risco e os melhores resultados. A utilização das próteses mais modernas somente de fabricantes idôneos é fundamental para a manutenção a longo prazo dos resultados obtidos na cirurgia.

Back to top